HANS STADEN VIAGENS E AVENTURAS NO BRASIL PDF

Enviar Biografia de Hans Staden Hans Staden foi um aventureiro e comerciante de armas alemгo. Aportou nas costas do recйm-descoberto Brasil. Deixou interessantes observaзхes sobre a vida e os costumes dos indнgenas brasileiros. Hans Staden nasceu em Homberg, Alemanha, no ano de Nessa йpoca, a Coroa portuguesa tentava colonizar o Brasil, visando garantir sua posse e defende-la dos piratas e comerciantes franceses.

Author:Golrajas Yor
Country:Kenya
Language:English (Spanish)
Genre:Marketing
Published (Last):25 June 2007
Pages:297
PDF File Size:1.76 Mb
ePub File Size:17.59 Mb
ISBN:303-4-47809-114-9
Downloads:79538
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Samuzuru



Existem poucas informaes sobre a vida de Staden alm daquilo que consta de seu relato. Sabe-se que empreendeu duas viagens ao Brasil, sendo que na primeira saiu de Bremen at Lisboa, embarcando como artilheiro numa nau portuguesa que veio a Pernambuco, em Chegando regio, ajudou na luta contra os piratas e corsriosfranceses que exploravam o Brasil.

O grupo de portugueses com os quais Staden viajava foi requisitado depois pelo governador-geral Duarte da Costa para defender uma fortaleza na regio de Iguau, sob constante ataque indgena. Retorna a Lisboa no ano seguinte. Em sua segunda viagem, em , desta vez a servio da Espanha, veio incorporado na armada de Diogo de Sanbria, que pretendia fundar um povoado na costa da ilha de Santa Catarina e outro na embocadura do rio da Prata.

O navio de Staden naufragou nas imediaes de Itanham, no litoral paulista, e os sobreviventes seguiram para So Vicente, onde o alemo agregou-se aos portugueses. Nomeado condestvel comandante da fortaleza de Bertioga em , foi capturado pelos tupinambs no ano seguinte, ficando prisioneiro na aldeia do chefe Cunhambebe de meados de janeiro a 31 de outubro.

Capturado em meio a outros colonos, por pouco no termimou vtima de um ritual de canibalismo, uma vez que fora tomado pelos ndios como portugus, povo inimigo dos tupinamb. Isso no o impediu de testemunhar o ritual, que descreve em detalhes no seu relato.

Ao conseguir provar sua origem, viveu um bom tempo entre os indgenas at ser resgatado em por um navio francs, que o trocou por presentes. A obra de Hans Staden importante por revelar muito da realidade dos primeiros anos de ocupao portuguesa do territrio brasileiro. A partir de sua leitura possvel ter uma ideia, mais ou menos bem acabada dos personagens importantes do perodo: corsrios franceses, colonos portugueses, indgenas, aliados e inimigos dos colonos estabelecidos no litoral.

Os costumes tupinambs esto ricamente descritos no livro e retratados em vrias xilogravuras, feitas conforme suas descries, apesar destas no possurem um rigor cientfico. A despeito da importncia da obra como imagem do Brasil dos mil e quinhentos, esta permaneceu sem traduo para a lngua portuguesa por sculos, at que em surgiu uma primeira edio de qualidade duvidosa, traduzida de uma verso francesa.

A verso de melhor qualidade data de , com texto traduzido do original, por Alberto Lofgren, e notas de Teodoro Sampaio, batizada de "Duas viagens ao Brasil", ttulo com o qual se tornou conhecida a obra em lngua portuguesa. Acesso em: 14 abr.

Hans Staden. Melhoramentos, 2. Imagine estar no meio da mata, cercado de ndios, prestes a ser esquartejado e devorado por gente to humana quanto voc. Seus braos e pernas seriam cortados, as costas separadas do peito e as vsceras entregues s ndias a fim de que as fervessem e servissem para as crianas em forma de papinha.

Pois foi nesse meio que o nosso heri Hans Staden se encontrava. Narra as aventuras e sufocos passados pelo alemo ao ser apanhado pela tribo dos ndios tupinambs, cujo cativeiro, no ano de , durou nove meses. O Brasil acabava de ser descoberto e por nossas terras, alm dos legtimos donos, os prprios ndios, circulavam, entre outros, espanhis, franceses e portugueses. As chamadas capitanias eram constantemente invadidas por tribos indgenas, as quais guerreavam tambm entre si e costumavam se aliar aos colonizadores e combater seus desafetos.

A coroa portuguesa, por exemplo, era atacada pelos tupinambs, aliados aos franceses, e eram inimigos mortais dos tupiniquins, apoiados pelos portugueses. Fato , no entanto, que essas tribos indgenas eram antropfagas, comiam gente. Staden sabia do risco que corria e tinha um medo especial do guerreiro tupinamb Cunhambebe, famoso pela ousadia de seus ataques, violncia e apurado gosto por carne humana. Era esse o nome do pior de seus pesadelos. Porm, o inevitvel aconteceu, sendo Hans Staden capturado pelos famigerados tupinambs.

Contudo, ao invs de ser prontamente apreciado, por ser loiro e de pele clara diferente dos portugueses que tinham cabelo e barbas pretas , o alemo foi levado at a aldeia para que fosse mostrado s crianas, velhos e mulheres. No caminho j era mordiscado pelos ndios, como se estivessem saboreando sua carne, verificando o tempero, e ao chegar na aldeia foi obrigado a gritar: Aju n e x pe remiura, ou seja: - Eu, seu alimento, est chegando.

Claro que no chegou a ser devorado, pois nos conta posteriormente a sua histria. Hans Staden, alm da ginstica que teve que fazer para escapar do caldeiro, aprendeu os costumes dos ndios, observou seus ritos, suas crenas, medos e supersties, seus hbitos e rotinas.

Para a sociedade indgena no havia lei ou governo. Todos tinham a mesma autoridade e direitos, sendo o mais respeitado aquele com maiores glrias de guerra. No havia propriedade particular, apenas a natureza, que pertencia a todos. O alimento vinha da caa, pesca e colheita e de alguns incautos inimigos. Os mais velhos eram sempre obedecidos, as mulheres tratadas com muito apreo e trabalhavam mais que os homens: preparao de comida, bebida, vasilhames, redes, cuidados com os filhos, plantao, tecelagem, etc.

Foram raras as brigas testemunhadas por Hans Staden. No havia dinheiro ou riqueza acumulada, exceto as penas de pssaros e os cristais que utilizavam nos lbios, sendo que temiam os troves tanto quanto os demnios que julgavam existir. Os ndios defendiam com unhas e dentes sua aldeia ao mesmo tempo sendo muito hospitaleiros, essa uma forte razo pela qual foram to facilmente dominados pelo invasor branco.

Eram fortes, corajosos e geis, destacando Luiz Aguiar que caminhavam na mata como se ela fosse a sua casa. Conheciam todas as plantas e animais.

Tinham corpo elstico, saudvel, manejavam armas e instrumentos com uma habilidade difcil de ser concebida pelo homem branco. Os ndios viviam em constante equilbrio com a natureza, no retirando dela nada alm do que precisavam.

Instalavam suas tabas em regies de gua abundante, de muita pesca e caa. Staden ainda reparou que para os ndios era indecente falar durante as refeies, mas que no se aborreciam se faltava comida. Tinham erva pitim , e fumavam para afastar a fome. Em geral as diversas tribos tinham os mesmos hbitos e Hans Staden compreendia bem o que falavam, comunicando-se com facilidade. Reparou ainda que os ndios no praticavam nenhuma forma de poder sobre seus semelhantes. Nas incurses guerreiras faziam prisioneiros apenas para devor-los, vingarem seus parentes e amigos mortos, mas no os transformavam em escravos afinal viviam em uma sociedade onde no se acumulavam riquezas, onde cada um produzia o que era seu, dentro das suas possibilidades e necessidades.

J os brancos, europeus, queriam a terra, a madeira, e no visualizavam nos ndios a existncia de uma cultura, taxando-os como brbaros e selvagens, totalmente avessos aos dogmas cristos. Toda essa narrativa de Hans Staden deliciosamente adaptada por Luiz Aguiar.

A linguagem utilizada convidativa e o livro permeado de suspense e ironia, sendo uma agradvel leitura para adultos e crianas. Hans Staden O alemo Hans Staden viajou duas vezes ao Brasil e e relatou em livro tudo que se passou durante seu perodo. Seu livro teve grande repercusso por conta de suas ilustraes, descries de rituais antropofgicos, animais, plantas e costumes exticos.

Para os estudiosos, a obra contm informaes de interesse antropolgico, sociolgico, lingustico e cultural sobre a vida, os costumes e as crenas dos indgenas do litoral brasileiro na primeira metade do sculo XVI. Em sua primeira viagem ao Brasil esteve no estado de Pernambuco, enquanto que na segunda embarcou na expedio espanhola de Diego Sanabia, novo Governador do Paraguai.

Contudo, seu navio naufragou nas costas do litoral fluminense. Por saber lidar com canhes, os portugueses destinaram Staden a artilheiro do Forte de Bertioga e foi defendendo esse forte que os tupinambs inimigos dos lusos o capturaram. Staden foi capturado por um aborgine chamado Nhaepep-au "Panela Grande" e, em seguida, foi dado de presente a outro chamado Ipir-guau "Tubaro grande".

Uma vez, carregaram-no at a aldeia de Tiquaripe, perto de Angra dos Reis, para ver um dos seus inimigos ter a cabea esmagada por um ibirapema tacape de execues. Logo em seguida, assistiu o corpo ser devorado pela tribo inteira, embriagada previamente com licor de razes de abat. Um trecho do documento de Staden quando este chegou pela primeira vez na aldeia de Ubatuba, prisioneiro dos ndios: [ Chamavam-na Ubatuba.

Dirigimo-nos para uma praia aberta ao mar. Bem perto trabalhavam as mulheres numa cultura de plantas de razes, que eles chamavam mandioca. Estavam ai muitas delas, que arrancavam razes e tive que lhes gritar, em sua lngua "Aju ne x pe remiurama", isto : "Estou chegando eu, vossa comida.

Deixaram-me com as mulheres. Algumas foram minha frente, outras atrs, danando e cantando uma cano que, segundo seu costume entoavam aos prisioneiros que tencionavam devorar. Hans Staden em uma cerimnia antropofgica Staden fez de tudo para convencer seus raptores de que ele no era um peros um portugus , mas sim um mair francs , portanto um aliado deles.

Conseguiu pelo menos deix-los na dvida. E por fim, os tupinambs o transformaram em um animal domstico que Tubaro Grande conduzia amarrado como um co para todos os lados. Staden chegou a abordar um barco ancorado bem prximo praia para pedir asilo. O comandante se recusou, pois no queria criar inimizade com os ndios.

Mas, por fim, Staden conseguiu, numa outra oportunidade, um convs amigo que o levou de volta Europa. Staden atribuiu a sua sobrevivncia s rezas, o tempo inteiro, feitas com redobrado fervor. Os antroplogos, porm, conhecendo hoje melhor os rituais de antropofagia, lendo Staden, chegaram outra concluso. No o mataram porque Staden pareceu um covarde, cuja carne era indigna de ser ingerida por um valente tupinamb.

Deve-se a Staden que viveu 8 meses em meio aos ndios, os relatos em primeira mo da vida dos indgenas, com quem partilhou hbitos e costumes. Staden, alm de banir do seu relato qualquer meno zoologia fantstica, pediu a um conhecido, Dryander, que assegurasse a veracidade do contedo do livro.

Historicamente, Staden foi o primeiro a deixar em forma de livro uma obra que o tornou secularmente conhecido e se tornou das fontes utilizadas na etnografia sul-americana.

CASOPIS SCORE PDF

Hans Staden: Viagens E Aventuras No Brasil

.

ANDERSON AND PICHERT 1978 PDF

Duas Viagens ao Brasil (Hans Staden)

.

GROW RICH WHILE YOU SLEEP BY BEN SWEETLAND PDF

Hans Staden – O Primeiro “Turista” em Ubatuba

.

ATOMOWI KOMANDOSI PDF

Hans Staden: Entre os selvagens canibais

.

Related Articles